terça-feira, 20 de julho de 2010

Cuba: um mergulho no passado para entender o presente



(Tiago) - ¨Marcelinho, encontrei uma promoção para Cuba por 180 dólares + 6000 milhas ida e volta. Temos que sair do país por causa do visto, que tu acha?¨
(Marcelinho) - ¨Cara eu animo. Nunca havia pensado em Cuba antes e confesso que não sei muito bem o que esperar, mas...porque não?!¨

Assim começamos a planejar um dos destinos mais inusitados que conheci até hoje. Sem dúvida, valeu a pena mergulhar de cabeça nessa cultura marcada por uma história de revolução socialista que está estampada no rosto dos cubanos e é narrada com detalhes por cada um deles. É um pouco dessa história que quero deixar registrado aqui no blog.

San José - Havana

Saímos de San José na quarta feira, dia 30, com destino a Havana, capital do país. Logo no aeroporto conhecemos uma brasileira e uma argentina que iriam a Cuba por trabalho, representando uma empresa de Santa Catarina. Trocamos telefones e combinamos de nos encontrar em Havana na sexta para ver o jogo do Brasil juntos. Mal sabíamos qual seria o resultado final...

Depois de duas horas bem tranquilas de vôo, chegamos bem em Havana e ao sair do avião já era possível sentir o calor e a umidade da ilha que sem exagero, parece uma sauna durante as 24 horas do dia. Antes de pegar um táxi até a casa que tínhamos reservado, tivemos que trocar euros por moeda local, ou melhor CUCs. A moeda de Cuba vale um tópico a parte!



Pesos Cubanos x Pesos Convertibles (CUCs)

Cuba tem duas moedas que circulam. Uma é chamada de Pesos Cubanos (MN) e é de uso exclusivo dos nativos. Por causa do regime socialista essa moeda não é aceita em todos os lugares e serve basicamente para que a população cubana tenha acesso ao que podem consumir de acordo com o que ganham.
A outra se chama Pesos Convertibles (CUCs) e é destinada aos estrangeiros que chegam no país, sendo que esta é a moeda que circula em restaurantes, baladas, hotéis, excursões turísticas, teatros, enfim...tudo aquilo que o cubano é de certa forma privado de desfrutar por não ganhar um salário que lhe permita.

 
Um exemplo interessante que eu presenciei e ilustra bem a divisão das moedas foi na sorveteria nais famosa de Havana, a Copélia. O lugar tem dois ambientes sendo que um é um trailler destinado aos estrangeiros. Aí se paga con CUCs para escolher um dos sabores da marca Copélia. No outro ambiente, bem maior e com uma fila que dava a volta na praça, fica o serviço destinado aos cubanos. Neste caso eles pagam com Pesos Cubanos e a sorveteria criou uma segunda linha da marca com valor inferior para atender a população local.

Se voce for a Cuba, te aconselho levar euros e trocá-los por CUCs no aeroporto de Havana. Por causa do embargo econômico que foi determinado pelos Estados Unidos (sansões são aplicadas ao países que comercializam com a Ilha) nenhum lugar aceita dólares e para trocá-los em um banco ou casa de câmbio é descontada uma taxa absurda de 10% sobre o valor.

(1CUC – USD1,20 = 24MN)


Mi casa es su casa

No nosso caso, fomos a Cuba com um orçamento modesto, nada de hotéis luxuosos e a opção que melhor encontramos foi ficar hospedados em uma casa de família cubana. As casas particulares como são chamadas, têm autorização do governo para receber estrangeiros e são identificadas com um selo na porta que garante a legalidade daquele local para receber o turista.

A gente tinha efetuado a reserva via Trip Advisor mas nos decepcionamos ao chegar no localque era bem diferente das fotografías que havíamos recebido por email. Lugar velho, escuro, vizinhanca estranha, enfim...tivemos que sair em busca de outra opcao e por sorte o Tiago se lembrava de uma outra casa que vimos antes pela internet. Mesmo estando lotada, a proprietária nos indicou uma outra e conseguimos um lugar bem tranquilo para ficar - a casa do Roberto e da Soraya.

Nesta casa, além do casal que dá nome ao lugar, vive também uma senhora viúva obsecada por carros e um senhor que mesmo hospedado 6 dias por lá, não consegui entender quem é e nem o que faz. As instalações eram boas - quarto com ar condicionado (caso contrário é impossível ficar em Havana) e banheiro privado, boa localização no centro histórico da cidade, preço acessível e muita hospitalidade por parte dos moradores da casa. Algumas horas, até demais já que se preocupavam conosco como se fossemos crianças viajando sozinhas. Anyway, recomendo o lugar e acho uma experiencia interessante para quem quer estar em contato com a cultura local.

 
La Habana Vieja

 
A parte histórica de Cuba é bem agradável e foi lá que ficamos hospedados. Um mix de casebres antigos com outros restaurados pelo governo há pouco tempo, dão ao lugar um clima parecido com as cidades históricas de Minas Gerais, porém, com um calor e uma umidade fora do normal.


As ruas estao sempre lotadas de turistas até as duas da manhã, quando fecham os pontos comerciais da regiao. Vale a pena entrar nas galerias de arte e nas lojinhas de souvenirs que estão por toda parte. Negocie que o preço vai baixar ou vc vai ganhar algo de brinde!




Não deixe de conhecer os restaurantes da Calle Obispo – comida boa a preço acessível - visitar a feirinha de artesanato, tomar um mojito na Bodeguita del Medio, um daiquiri no La Floridita ou um chopp na Taberna de la Muralla na Plaza Vieja. Em qualquer um destes lugares, a salsa vai estar presente ao vivo a qualquer hora do dia!



Chicas, muchachas! Quieres?

 
A prostituição em Cuba é explícita em toda e qualquer parte. Caminhando pelas ruas, visitando algum hotel, tomando uma nos bares ou bailando salsa. Certamente você será abordado por uma delas em Havana.

Em uma das noites que saímos fomos a uma casa de salsa com banda a o vivo. Não demorou muito para que elas viessem em grupo conversar conosco. Com dois amigos rolou a proposta inicial por aproximadamente 100 CUCs. Depois de uma conversa o preço baixou para 80 e a última foi algo do tipo: ¨Nós 3 e vocês dois por 80 cada¨!
Outa cena inusitada foi quando dividimos um taxi com dois espanhóis na saída do Forte de Havana. Conversando com eles nos contaram que antes estavam em dúvida sobre ir a Cuba ou Brasil. Um deles nos disse que quando estavam em Madrid no aeroporto encontraram várias brasileiras, todas ¨guapas¨ e que pensou se estaria fazendo a coisa certa ao escolher Cuba como destino.

- ¨Yo le dije que en Brasil hay mujeres muy guapas¨, disse um dos espanhóis.
- ¨Pero en Cuba también hay. Las cubanas son muy guapas¨, completou o outro.
- ¨Sí, y no son tan caras¨! Soltou o taxista que até então não tinha falado nada conosco. Simples assim!

Eu realmente fiquei curioso em saber a porcentagem de mulheres que se sujeitam a prostituição no país. Não encontrei o dado, mas percebe-.se que é mais uma alternativa encontrada por muitas para se sustentar ali.

Caribe, não tem como se decepcionar

Mesmo que vc vá a Cuba por poucos dias, vale a pena passar pelas praias do país. No nosso caso, conhecemos Varadero, paraíso para os turistas que ali desfrutam as mordomias dos sistemas all inclusive e Playa del Este. Caribe, água azul turquesa, areia branca e para completar, um mojito gelado para refrescar um pouco a alta temperatura sempre constante no país.


O socialismo na cara e nos costumes do povo

Cuba é um dos poucos países no mundo que mantém um regime socialista. Desde 1959 quando ocorreu a Revolucao Cubana comandada por Fidel Castro e outros revolucionários como Che Guevara, Camilo Cienfuegos e Raúl Castro, o país vive uma forma de governo em que a propriedade dos meios de produção é estatal e, supostamente, nao há predomínio de uma classe sobre outra.

Saindo da teoria para a prática, nos 6 dias em que estivemos por lá tentamos entender como o socialismo constitui o modo de vida da população – seus hábitos, costumes, cultura e história. A realidade cubana é triste, miserável para quem nasce ali. Imaginem que o salário médio é de 15 dólares por mês, eles ganham uma cesta básica do governo com o mínimo que necesitam para sobreviver e não são permitidos sair do país sem autorização.



Perguntamos a alguns:

- ¨Mas vcs conseguem sobreviver com 15 dólares mensais?¨
- ¨Não. Temos que dar nosso jeito¨.

Dar o nosso jeito significa arrumar fontes alternativas de renda, já que um barman no país pode ganhar mais que um engenheiro. Para fazer uma grana a mais no fim do mês, eles transformam suas casas em pousadas e restaurantes, seus carros viram taxis muitas vezes clandestinos e usam a música como instrumento de trabalho. Para algumas dessas atividades o cubano é obrigado a pagar uma taxa ao governo de aproximadamente 300 CUCs por mês, como o caso das casas particulares. Em Cuba é bem difícil conseguir o pão de cada dia!



Por esses e outros motivos o turista é visto como aprincipal fonte de renda para os cubanos. Ao caminhar pela rua eles te param para oferecer, nesta ordem, charutos, chicas (prostitutas), marijuana ou cocaína. Outro fato comum é ser interceptado para que eles possam te pedir suas coisas pessoais: camisas, tênis, sabonetes, bonés, enfim...situação compreensível depois que vc entende como funciona exatamente o modo de vida determinado por Fidel desde 59. Críticas a parte, Fidel é o cara para os cubanos e mesmo com todos os problemas o país tem um sistema educacional e de saúde que é referencia mundial.

O regime socialista aplicado em Cuba, ao contrário do que foi idealizado por Marx no século XVIII, não permite que o país progrida e contraditoriamente, é o capitalismo, representado pelos milhares de turistas que visitam o país, que garante a manutenção da ilha do Sr. Fidel. Este já está com seus 84 anos e não vai demorar bater na porta de São Pedro. Vale a pena visitar o país antes que isso aconteça, afinal, o que foi implementado e mantido por ele com tanto rigor, pode estar com seus anos contados.




Outras dicas e curiosidades

Outros lugares para visitar:
- Fábrica de charutos Partagas
- Museo del Rom (Havana Club)
- Museo de la Revolución
- Malecón
- Cerimonia cañonazo no Forte de Havana

Em Cuba alguns ônibus têm duas filas: uma para as pessoas que querem ir de pé e outra para os que querem ir sentados. O cômico é que ambos pagam o mesmo valor!
Vale a pena un tour no bus de dois andares que circula pela cidade.
Cartões de crédito são pouco aceitos na ilha. E preparem o bolos, turismo em Cuba é caro.
A novela A Favorita da Rede Globo está sendo transmitida em Cuba e é sucesso nacional.

7 comentários:

Bárbara disse...

muito bom o post! :)

e achei interessante esse video: http://www.youtube.com/watch?v=aH3d5p2n0-8&feature=related

beijo!

Anônimo disse...

Nossa adorei o post!!
Sempre falei que queria ir pra Cuba e ninguem me entendia (bom, nem eu sabia bem o porque), mas seu post explica um pouquinho de tudo... todas essas diferenças e curiosidades sao muito interessantes. Parabens!
Gabi (na China)

danielblaia disse...

Mto bom o post!!

Eu quase fui pra Cuba quando tava na america central, acabei indo pra costa rica hehehe

abraços

Daniel

Tiago Pizzolo disse...

viagem absurdamente foda!
tem que voltar quando o fidel bater as botas, para ver se alguma coisa mudou por lá...

bom post marcelinho!
abracao

Marina Trindade disse...

Marcelinho, adorei o post! Me deu uma vontade louca de conhecer Cuba!!! hehehe

Beijos!

Dani Porto disse...

Nossa, votei no tempo com o seu post. Também já fui a Cuba e simplesmente me apaixonei!
Muito bomo seu post.
Também tenho um blog de viagens, um pouco diferente do seu, mas com a mesma intenção. Faz uma visita!

http://daniportotrips.blogspot.com/

Até mais,
Daniela

perola disse...

Oi marcelo? Estou pensando em ir pra cuba no final do ano 2012 moro nos eua e sei que nao posso ir por aqui, vou pro brazil pra visitar e aproveitar e ir pra cuba. Vc tem alguma ideia de sites ou de agencias pra comprar pacotes ou coisa do tipo. Me mande um email pelo perolateixeira@msn.com